Qual o tamanho do arsenal nuclear que a Rússia de Putin tem nas mãos

Qual o tamanho do arsenal nuclear que a Rússia de Putin tem nas mãos

Em discurso à nação na última quarta-feira, 21, o presidente russo Vladimir Putin anunciou uma “mobilização parcial” para enviar mais de 300.000 reservistas à guerra na Ucrânia e alertou que usará “todos os meios necessários” para defender a Rússia, levantando preocupações em todo o mundo.

Apesar da ameaça velada, analistas apontam que sua fala deve ser interpretada mais como um alerta para os países que se envolvem com a Ucrânia do que propriamente uma sinalização de que pretende avançar com o uso de armas nucleares.

No entanto, a fala de Putin traz inquietação para todo o planeta devido ao tamanho de seu arsenal nuclear. Todos os números existentes sobre o assunto são especulativos, mas de acordo com a Federação de Cientistas Americanos, a Rússia tem 5.977 ogivas nucleares. Destas, 1.500 estão aposentadas.

Das 4.500 restantes, a grande maioria está classificada como armas nucleares estratégicas, ou seja, que podem ser direcionadas a longas distâncias como mísseis balísticos e foguetes. É esse armamento que geralmente está associado à guerra nuclear. Há ainda armas nucleares menores e de menor poder destrutivo que podem ser usadas para curto alcance ou para batalhas em mar.

Isso não significa que a Rússia tenha todo esse armamento pronto para ser utilizado a qualquer momento. Especialistas apontam que cerca de 1.500 ogivas estão implantadas, o que significa que estão localizadas em bases de mísseis, bombardeiros e submarinos.

Atualmente, nove países possuem armas nucleares: China, França, Índia, Israel, Coreia do Norte, Paquistão, Rússia, Estados Unidos e Reino Unido.

Com 5.977 ogivas, os russos lideram o ranking como o país com maior quantidade de armamento nuclear. Na sequência, os Estados Unidos aparecem com 5.428, seguido pela China com 350.

Completam a lista França (290), Reino Unido (250), Paquistão (165), Índia (16), Israel (90) e Coreia do Norte (20).

Destes nove, China, Rússia, Estados Unidos, França e Reino Unido estão entre os 191 países que assinaram o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, que prevê a redução do estoque de ogivas gradualmente até sua completa eliminação.

Já Índia e Paquistão nunca aderiram ao tratado, enquanto a Coreia do Norte optou por sair em 2003. Israel é o único dos países que nunca reconheceu formalmente seu programa nuclear, embora seja amplamente aceito pela comunidade internacional que o país possui tal armamento.

Apesar do tratado, um relatório divulgado pelo Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI), centro de estudos sobre conflitos e armamentos, disse que que o arsenal nuclear global vai crescer pela primeira desde a Guerra Fria e que o risco de uso dessas armas atingiu o pico em décadas.

Em um conjunto novo de pesquisas, o instituto afirmou que a invasão da Ucrânia pela Rússia e o apoio internacional a Kiev aumentaram as tensões entre os nove países que possuem armas nucleares.

“Todos os estados com armas nucleares estão aumentando ou atualizando seus arsenais e a maioria está aprimorando a retórica nuclear e o papel que as armas nucleares desempenham em suas estratégias militares”, disse Wilfred Wan, diretor do Programa de Armas de Destruição em Massa do SIPRI.

Além disso, em abril, o governo russo testou um novo míssil com capacidade nuclear “sem igual” capaz de carregar várias ogivas nucleares. Em imagens veiculadas por redes de TV russas, Putin foi informado por militares que o míssil havia sido lançado de Plesetsk, no noroeste do país, e atingiu alvos na península de Kamchatka, a quase 6 mil quilômetros de distância.

O argumento para manter um grande número de armas nucleares tem sido ter a capacidade de destruir totalmente o seu inimigo em caso de uma guerra, algo que ficou conhecido como destruição mútua assegurada. Embora os países tenham aumentado consideravelmente seu arsenal nas últimas décadas, nenhuma bomba nuclear é utilizada desde 1945, quando os Estados Unidos bombardearam as cidades de Hiroshima e Nagasaki, no Japão.

Apesar da ameaça velada de Putin, a legislação russa prevê o seu uso em apenas quatro oportunidades: lançamento de mísseis balísticos contra o território russo ou seus aliados; uso de armas nucleares contra a Rússia ou seus aliados; ataque a locais críticos governamentais ou militares que ameace a sua capacidade nuclear; e agressão contra a Federação russa com uso de armas convencionais quando a própria existência do Estado está em perigo.

FONTE: VEJA




Leia também:

Terra Brasil Notícias