Bolsonaro defende mudança na ONU e exalta melhora na economia: ‘Plena recuperação’

Bolsonaro defende mudança na ONU e exalta melhora na economia: ‘Plena recuperação’

Durante discurso na abertura da Assembleia-Geral da ONU, presidente também pediu ‘cessar-fogo imediato’ entre Ucrânia e Rússia e destacou a preservação ambiental no Brasil

Durante seu discurso de abertura na 77ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro (PL) destacou a retomada da economia brasileira e exaltou a “extinção da corrupção sistêmica” em seu governo. A cerimônia de abertura da Assembleia aconteceu nesta terça-feira, 21, e contou com a participação de mais de 100 líderes de governo. O atual candidato à reeleição à presidência da República foi o primeiro chefe de estado a discursar, seguindo a tradição dos anos anteriores, e, ao longo de sua fala, exaltou os resultados da economia brasileira e afirmou que o país deve fechar o ano com apenas 4% das famílias vivendo abaixo da linha da pobreza. “Apesar da crise mundial, o Brasil chega ao final de 2022 com uma economia em plena recuperação. Temos emprego em alta, inflação em baixa. A economia voltou a crescer. A pobreza aumentou em todo o mundo como impacto da pandemia. No Brasil, ela já começou a cair de forma acentuada. Os números falam por si só, a estimativa é de que, ao final de 22, 4% das famílias esteja vivendo abaixo da linha da pobreza extrema. Em 2019, eram 5,1%, o que representa uma queda de mais de 20%”, disse Bolsonaro.

Em outro momento, Bolsonaro falou sobre a guerra entre Ucrânia Rússia, dizendo que o conflito evidenciou a necessidade de mudanças na ONU e disse que o Brasil vems e pautado pelos princípios do direito internacional ao se posicionar sobre o confronto. “Hoje, o conflito na Ucrânia serve de alerta. Uma reforma da ONU é essencial para encontrarmos a paz mundial. No caso específico do Conselho de Segurança, após 25 anos de debate, está claro que precisamos buscar soluções inovadoras. O Brasil fala sobre o assunto com base em uma experiência que remonta aos primórdios da ONU. É pela 11ª vez que ocupamos assento não permanente no Conselho. Temos buscado dar o melhor de nós para soluções pacíficas. Sempre guiados pela carta da ONU e pelo direito internacional. […]O conflito na Ucrânia já se estende por 7 meses e gera apreensão não apenas na Europa, mas em todo mundo. […] Defendemos um cessar-fogo imediato, a proteção de civis e não-combatentes, a preservação de infraestrutura crítica para assistência à população e a manutenção de todos os canais de diálogo entre as partes em conflito. Esses são os primeiros passos para alcançarmos uma solução que seja duradoura e sustentável”, afirmou Bolsonaro, que também citou o impacto do confronto no preço dos alimentos. “As consequências do conflito já se fazem sentir nos preços mundiais de alimentos, de combustíveis e de outros insumos. Estes impactos nos colocam a todos na contramão dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Ao falar sobre meio-ambiente e desenvolvimento sustentável, Bolsonaro afirmou que dois terços do território nacional seguem com a vegetação nativa intacta e disse que a preservação real da Amazônia diverge do que é mostrado pela grande mídia nacional e internacional. “Em matéria de meio-ambiente e desenvolvimento sustentável, o Brasil é parte da solução e referência para o mundo. Dois terços de todo o território brasileiro permanecem com vegetação nativa, que se encontra exatamente como estava quando o Brasil foi descoberto em 1500. Na Amazônia brasileira, área equivalente à Europa Ocidental, mais de 80% da floresta continua intocada, ao contrário do que é divulgado pela grande mídia nacional e internacional”, explicou o presidente.

Perto do fim do discurso, Bolsonaro também destacou as ações de seu governo voltadas à defesa das mulheres e garantiu que o Brasil trabalha para que as mulheres sejam “fortes e independentes”. “Quero também destacar aqui a prioridade que temos atribuído à proteção das mulheres. Nosso esforço em sancionar mais de 70 normas legais sobre o tema desde o início de meu governo, em 2019, é prova cabal desse compromisso. Os resultados aparecem em nosso governo: queda de 7,7% no número de feminicídios e diminuição do número geral de mortes por homicídio. Em 2017 eram 30 mortes por 100 mil habitantes. Agora são 19. Trabalhamos no Brasil para que tenhamos mulheres fortes e independentes, para que possam chegar aonde elas quiserem”, afirmou o mandatário.




Leia também:

Terra Brasil Notícias