Comissão da Câmara aprova anistia a PMs envolvidos no caso Carandiru

Comissão da Câmara aprova anistia a PMs envolvidos no caso Carandiru

Projeto aprovado no colegiado é de autoria do deputado paulista Capitão Augusto.

Foto: Patrícia Santos | Flickr

Em sua primeira reunião após o recesso parlamentar de julho, a Comissão de Segurança Pública (CSP) da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (2) um projeto que defende anistia aos policiais militares processados ou punidos pela atuação no que ficou conhecido como Massacre do Carandiru, em 1992.

De autoria do deputado federal Capitão Augusto (PL-SP), apesar de ter avançado hoje, o texto ainda tem longo caminho na Casa. Antes de seguir ao plenário, precisa ser votado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Vencidas essas etapas, se aprovado pelos deputados, a proposta vai à análise do Senado.

Na justificativa do texto, o parlamentar afirma que, durante uma rebelião, os policiais têm que agir de maneira proporcional “para conter a violência dos rebelados e, assim, cumprir sua missão de manter a ordem pública”.

Ele ressaltou que o princípio da “individualização da pena” não é respeitado quando os episódios relacionados ao episódio são julgados e os policiais acabam condenados “somente por estarem no local do fato”.

O texto concede anistia aos crimes previstos no Código Penal, nas leis penais especiais, no Código Penal Militar e nas infrações disciplinares conexas.

“Após quase 30 anos, policiais que atuaram nesse fatídico episódio ainda enfrentam, de forma injusta e desproporcional, processos judiciais que preveem condenações que vão 48 a 632 anos de prisão, mesmo sendo impossível determinar se houve excesso doloso ou culposo e ainda individualizar qualquer conduta dos policiais. Sem um deslinde final até a data de hoje, esse caso se tornou um dos imbróglios jurídicos mais longos da história desse país”, avaliou Capitão Augusto.

Para o congressista, não há qualquer respaldo constitucional para a condenação desses profissionais sem elementos individualizados que apontem a relação entre os fatos delituosos e a autoria.




Leia também:

Terra Brasil Notícias