Podendo encontrar a terra no futuro, asteroide “assassino de planetas” é detectado escondido sob o brilho do sol

Podendo encontrar a terra no futuro, asteroide “assassino de planetas” é detectado escondido sob o brilho do sol

Foto: NSF’s NOIRLab/DOE/FNAL/DECam/CTIO/NOIRLab.

Astrônomos detectaram três asteroides próximos da Terra que estavam à espreita sem serem detectados no brilho do sol. Um dos asteroides é o maior objeto, potencialmente perigoso, que representa um risco para a Terra a ser descoberto nos últimos oito anos, aponta o estudo.

Os asteroides pertencem a um grupo encontrado nas órbitas da Terra e Vênus, mas são bastante difíceis de observar porque o brilho do sol os protege das observações do telescópio.

Para evitar o brilho do sol, os astrônomos aproveitaram a chance de realizar suas observações durante a breve janela do crepúsculo. Uma equipe internacional espiou as rochas espaciais usando a Dark Energy Camera localizada no Telescópio Víctor M. Blanco de 4 metros, parte do Observatório Interamericano Cerro Tololo, no Chile.

As descobertas foram publicadas nesta segunda-feira (31) no “The Astronomical Journal”.

Um dos asteroides, chamado 2022 AP7, tem 1,5 quilômetro de largura e uma órbita que pode levá-lo ao caminho da Terra no futuro, mas é difícil para os cientistas saber quando.

“Nossa pesquisa crepuscular está vasculhando a área dentro das órbitas da Terra e Vênus em busca de asteroides”, disse o principal autor do estudo, Scott S. Sheppard, astrônomo do Earth & Planets Laboratory da Carnegie Institution for Science em Washington, DC, por meio de um comunicado.

“Até agora, encontramos dois grandes asteroides próximos da Terra com cerca de 1 quilômetro de diâmetro, um tamanho que chamamos de assassinos de planetas”.

Os cientistas determinaram que o asteroide cruza a órbita da Terra, mas ocorre quando a Terra está do lado oposto do sol – esse padrão continuará por séculos, pois o asteroide leva cinco anos para completar uma órbita ao redor do sol.

Mas, com o tempo, o movimento orbital do asteroide estará mais sincronizado com o da Terra. Os cientistas não conhecem a órbita do asteroide com precisão suficiente para dizer o quão perigoso ele pode se tornar no futuro, mas, por enquanto, “ficará bem longe da Terra”, disse Sheppard.

Um asteroide próximo à Terra medindo 1 quilômetro ou maior “teria um impacto devastador na vida como a conhecemos”, disse ele. Poeira e poluentes encheriam a atmosfera por anos, resfriando o planeta e impedindo que a luz solar chegasse à superfície da Terra.

“Seria um evento de extinção em massa como não é visto na Terra há milhões de anos”, disse Sheppard.

A equipe espera encontrar mais asteroides assassinos de planetas em sua pesquisa nos próximos dois anos. Os cientistas acreditam que existem cerca de 1.000 objetos próximos da Terra com mais de 1 quilômetro de tamanho, e pesquisas na última década encontraram cerca de 95% deles.

Os outros dois asteroides, 2021 LJ4 e 2021 PH27, estão em órbitas muito mais seguras que não representam um risco para a Terra.

Os astrônomos estão intrigados com 2021 PH27, no entanto, porque é o asteroide conhecido mais próximo do sol. À medida que a rocha espacial se aproxima de nossa estrela, sua superfície atinge temperaturas quentes o suficiente para fundir chumbo.

Os astrônomos caçadores de asteroides enfrentam um grande desafio se quiserem encontrar rochas espaciais dentro do sistema solar interno – que inclui Mercúrio, Vênus, Terra, Marte e o principal cinturão de asteroides.

Missão DART da NASA se prepara para colisão de asteroides / Steve Gribben/Johns Hopkins APL/NASA

A fim de evitar a forte luz do sol, eles têm apenas duas janelas de 10 minutos a cada noite para varrer a área com telescópios terrestres.

Durante o crepúsculo, os astrônomos ainda enfrentam as complicações de um céu brilhante ao fundo devido ao sol. E, para pesquisar o interior do sistema solar, seus telescópios devem focar perto do horizonte, o que significa que eles precisam perscrutar a espessa atmosfera da Terra e seus efeitos de desfoque.

Se as coisas parecem complicadas para telescópios terrestres, as observações do sistema solar interno são impossíveis para telescópios espaciais como Hubble e James Webb, porque o calor do sol e a luz intensa podem fritar seus instrumentos, e é por isso que ambos os observatórios espaciais estão apontados para longe.

A capacidade de campo amplo da Dark Energy Camera ajudou os astrônomos a superar seus desafios de observação e foram capazes de varrer vastas extensões do céu noturno em detalhes.

“Grandes áreas do céu são necessárias porque os asteroides internos são raros, e imagens profundas são necessárias porque os asteroides são fracos e você está lutando contra o céu crepuscular brilhante perto do Sol, bem como o efeito de distorção da atmosfera da Terra”, disse Sheppard.

“O DECam pode cobrir grandes áreas do céu a profundidades não alcançáveis ​​em telescópios menores, permitindo-nos ir mais fundo, cobrir mais céu e sondar o interior do Sistema Solar de maneiras nunca antes feitas.”

Objetos próximos da Terra são asteroides e cometas com uma órbita que os coloca a 48,3 milhões de quilômetros da Terra. Detectar a ameaça de objetos próximos da Terra que podem causar danos graves é o foco principal da NASA e de outras organizações espaciais em todo o mundo.

Nenhum asteroide está atualmente em curso de impacto direto com a Terra, mas existem mais de 27.000 asteroides próximos da Terra em todas as formas e tamanhos.

Embora a Nasa tenha provado recentemente que pode alterar com sucesso o movimento de um asteroide no espaço com o Teste de Redirecionamento de Asteroides Duplos de setembro, ou missão DART, os astrônomos primeiro devem encontrar rochas espaciais que representem uma ameaça ao nosso planeta.

Instrumentos como a Dark Energy Camera, bem como futuros observatórios baseados no espaço, como o Near Earth Object Surveyor, podem identificar asteroides anteriormente desconhecidos.

Estudar e entender as populações de asteroides também ajudará os cientistas a aprender a distribuição e a dinâmica das rochas espaciais – como como o calor do sol pode fraturar e fragmentá-las ao longo do tempo.

“Nossa pesquisa DECam é uma das maiores e mais sensíveis pesquisas já realizadas para objetos dentro da órbita da Terra e próximos à órbita de Vênus”, disse Sheppard. “Esta é uma chance única de entender que tipos de objetos estão à espreita no interior do Sistema Solar.”

Créditos: CNN Brasil.



Leia também:

Terra Brasil Notícias