Meta diz estar planejando demissões significativas 

Meta diz estar planejando demissões significativas 

Cortes de empregos devem afetar milhares de trabalhadores e podem começar já nesta semana 

Diz-se que a Meta, controladora do Facebook, está planejando as primeiras demissões significativas em sua história, à medida que a empresa lida com um negócio cada vez menor e teme uma recessão iminente.

Os cortes de empregos devem afetar milhares de trabalhadores e podem começar já nesta semana, informou o Wall Street Journal no fim de semana, citando pessoas não identificadas e familiarizadas com o assunto. Meta tem um número de funcionários de mais de 87.000, de acordo com um arquivamento da SEC em setembro.

A Meta se recusou a comentar o relatório.

Em uma teleconferência no mês passado para discutir seus resultados de lucros para o terceiro trimestre, o CEO Mark Zuckerberg disse que espera que a empresa termine 2023 “com aproximadamente o mesmo tamanho, ou mesmo uma organização um pouco menor do que somos hoje”.

Os possíveis cortes ocorrem quando os orçamentos dos anunciantes são apertados e as mudanças de privacidade do iOS da Apple pesam sobre o negócio principal da Meta. No mês passado, a empresa registrou seu segundo declínio de receita trimestral e informou que seu lucro foi reduzido pela metade em relação ao ano anterior. A queda na lucratividade é, em grande parte, impulsionada pelos bilhões que a Meta está gastando para construir uma versão futura da internet chamada metaverso, que provavelmente permanecerá a anos de distância.

Antes com uma capitalização de mercado de mais de US$ 1 trilhão no ano passado, a Meta agora está avaliada em cerca de US$ 250 bilhões. (Após relatos dos cortes de empregos, as ações da Meta abriram mais de 5% na manhã desta segunda-feira.)

A Meta está longe de ser a única empresa de tecnologia que está repensando a contratação de pessoal. Em uma mudança impressionante para um setor às vezes considerado intocável, várias empresas do ramo anunciaram congelamento de contratações ou cortes de empregos nos últimos meses, muitas vezes após terem visto um rápido crescimento durante a pandemia.

Na semana passada, a empresa de caronas Lyft disse que estava demitindo 13% dos funcionários, e a companhia de processamento de pagamentos Stripe falou que estava cortando 14% de sua equipe. No mesmo dia, a gigante do comércio eletrônico Amazon comunicou que estava implementando uma pausa nas contratações corporativas.

O Twitter, rival do Facebook, fez grandes cortes na empresa na sexta-feira sob seu novo proprietário, Elon Musk. Os cortes impactaram sua equipe ética de IA, marketing e comunicação, pesquisa e políticas públicas, entre outros departamentos.

Nos dias seguintes, no entanto, o Twitter teria pedido a dezenas de funcionários demitidos para retornar, de acordo com a Bloomberg.



Leia também:

Terra Brasil Notícias