Facebook é processado por coletar dados pessoais para direcionar anúncios

Facebook é processado por coletar dados pessoais para direcionar anúncios

Uma ativista de direitos humanos está processando o proprietário do Facebook no tribunal superior, alegando que a empresa está desrespeitando seu direito de se opor à coleta de seus dados pessoais.


Tanya O’Carroll abriu um processo contra a Meta de Mark Zuckerberg, alegando que ela violou as leis de dados do Reino Unido ao não respeitar seu direito de exigir que o Facebook pare de coletar e processar seus dados. O Facebook gera receita com a criação de perfis de usuários e sua correspondência com anunciantes que direcionam anúncios para pessoas que visam seus interesses e origens específicos.

“Este caso é realmente sobre todos nós sermos capazes de nos conectar com a mídia social em nossos próprios termos, e sem ter que aceitar essencialmente que devemos ser submetidos a perfis de vigilância de rastreamento extremamente invasivos apenas para ser capaz de acessar as redes sociais”, disse O’Carroll ao programa Today da BBC Radio 4.

O’Carroll, membro sênior da Foxglove, um grupo de campanha legal do Reino Unido que se concentra na responsabilidade na indústria de tecnologia, está alegando que o Facebook violou o artigo 21 (2) do Regulamento Geral de Proteção de Dados do Reino Unido (GDPR), que dá aos indivíduos o direito para protestar contra o processamento de seus dados pessoais para fins de marketing. O’Carroll disse que um caso de sucesso pode abrir um precedente para milhões de usuários do Facebook, mídias sociais e mecanismos de busca.

“Com este caso, estou realmente usando esse direito que está há muito tempo nos livros de lei, mas até agora não foi exercido, que é simplesmente dizer ‘eu me oponho’ e, se formos bem-sucedidos, todos terá esse direito”, disse ela à BBC.

O’Carroll entrou com uma ação no tribunal superior e aguarda o reconhecimento da Meta pela reclamação e a confirmação de que a empresa pretende defendê-la, seguida de uma audiência e sentença judicial. O’Carroll não está buscando indenização, mas uma decisão sim/não sobre se ela pode optar por não ser perfilada para fins publicitários.




Leia também:

Terra Brasil Notícias