OTAN avisa aos membros que Rússia está movimentando submarino que tem a “arma do apocalipse”

OTAN avisa aos membros que Rússia está movimentando submarino que tem a “arma do apocalipse”

A OTAN enviou uma nota de informação aos seus Estados-membros, entre os quais Portugal, a avisar que o submarino nuclear K-329 Belgorod, que carrega um míssil nuclear chamado Poseidon – também conhecido como “arma do apocalipse” -, está em movimento.

A notícia foi revelada pelo diário italiano La Repubblica, que refere que o submarino lançado em julho terá submergido no Mar Ártico, depois de se ter pensado que poderia ter estado envolvido na alegada sabotagem aos gasodutos Nord Stream 1 e 2.

A Aliança Atlântica teme que o submarino russo tenha como missão testar o super torpedo que tem a bordo, e que pode disparar um projétil com capacidade nuclear por uma distância de 10 mil quilómetros debaixo de água. Explodindo perto da costa esta arma pode causar um tsunami radioativo.

O Poseidon foi apresentado em 2018 pela Rússia como uma tentativa de obter supremacia militar, ainda que os especialistas entendam que mísseis intercontinentais podem ter o mesmo efeito. Trata-se de um projétil com 24 metros de comprimento, e que é capaz de levar uma ogiva nuclear de duas megatoneladas.

“É uma arma completamente nova que poderia forçar as marinhas do Ocidente a mudarem o seu planeamento”, afirma o especialista H. I. Sutton, ao La Repubblica, já depois de ter referido à CNN que era algo “único no mundo”.

Com 184 metros de comprimento e 15 de largura, o Belgorod pode viajar até 60 quilómetros por hora debaixo de água, aguentando um máximo de 120 dias sem vir à superfície.

Recorde-se que, quando anunciou a mobilização parcial, Vladimir Putin referiu que a Rússia tem em posse armas que, em certos aspetos, são mais modernas que as da OTAN.

O presidente russo mandou um aviso alarmante aos representantes de países da OTAN que “falam em atacar a Rússia com armas nucleares”, sendo que esta foi a primeira vez que falou deste tipo de armamento explicitamente: “Quero dizer ao Ocidente: temos muitas armas em nosso poder, não estamos a fazer bluff. O nosso país também tem meios de ataque, mais modernos do que a OTAN. Se a defesa da Rússia estiver em perigo utilizaremos todos os meios ao nosso alcance para resolver o problema. Podem ficar descansados: utilizaremos todos os meios, repito, todos os meios que sejam necessários”.

Foi o início de uma escalada que se agravou com a anexação das quatro regiões ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporizhzhia, que não foram reconhecidas pela comunidade internacional. Pelo meio houve o caso das fugas de gás no Mar Báltico, que muitos países já vieram sugerir terem sido causadas pela Rússia, que negou todas as acusações.

Créditos: CNN Portugal.




Leia também:

Terra Brasil Notícias