“Estelionato Sentimental”: Investigação identifica 12 vítimas

“Estelionato Sentimental”: Investigação identifica 12 vítimas

Pelo menos cinco novas vítimas de “estelionato sentimental” foram encontradas desde que Renan Augusto Gomes, o “galã do Tinder”, foi preso, há uma semana. Novos inquéritos e dados obtidos nos últimos dias apontam para uma rede maior de mulheres enganadas, golpes mais longos, relacionamentos de fachada e lucros mais altos obtidos por meio de promessas falsas e, em alguns casos, de violência psicológica.

Uma das cinco novas vítimas identificadas pelas equipes do Ministério Público do Estado de São Paulo e da Deic (Delegacia Especializada em Investigações Criminais) de São Bernardo do Campo relata prejuízo superior a R$ 500 mil. O montante começou com empréstimos feitos pela mulher e repassados a Gomes, que teria prometido sociedade em uma loja de celulares que nunca existiu.

“O tema de telefonia móvel, especificamente de celulares, é algo que identificamos como uma constante na história de vida dele, quase uma obsessão, que começou ainda na adolescência”, diz a promotora Érika Pucci da Costa Leal, que atua no caso e foi a responsável pelo pedido de prisão preventiva.

Segundo a investigação policial, em um dos golpes que Gomes aplicou ainda na adolescência, em Fernandópolis, sua cidade natal, no interior de São Paulo, ele se apresentava como representante comercial de uma marca de celulares. As empresas encomendavam os aparelhos e ele entregava modelos de tecnologia inferior ao que havia sido combinado. Quando os gerentes reclamavam, Gomes recolhia os aparelhos sob a promessa de troca, pegava o dinheiro e sumia.

O Estadão teve acesso a cinco novos inquéritos instaurados pelo delegado Ronald Quene Justiniano Marques, da Deic de São Bernardo do Campo. Em ao menos dois novos casos, as investigações mostram que Gomes também manteve relacionamentos paralelos com várias mulheres por mais de um ano. Ambas dizem ter sido ludibriadas para transferir altas quantias de dinheiro, que nunca foram pagas.

O MP e o Deic investigam ainda o caso de uma terceira mulher que acreditam ter sido submetida a abusos emocionais e psicológicos de Gomes. A identificação das vítimas tem sido dificultada pela variedade de pseudônimos que Gomes utilizava para se apresentar nos aplicativos e sites de relacionamento. Outras vítimas, acrescenta Érika, “ainda não estão em condições emocionais de prestar declarações ou não querem correr o mínimo risco de exposição, ainda que para seu círculo familiar”.

Um traço comum em alguns dos relatos é o fato de Gomes solicitar e armazenar fotos e vídeos íntimos das mulheres com quem se relacionava. Algumas das vítimas demonstraram preocupação com o possível vazamento desse conteúdo ou represália quando o “galã” foi detido — uma delas, inclusive, reconheceu que o celular apreendido com o golpista durante a prisão foi comprado por ela.

Ao todo, as investigações já identificaram 12 mulheres que teriam sido enganadas por Gomes, com idade entre 34 e 45 anos. Outras quatro potenciais vítimas ainda serão ouvidas na próxima semana. Nos últimos anos, o chamado “galã” parece ter desenvolvido uma preferência por profissionais da saúde. As investigações ainda tentam descobrir qual é a extensão dos golpes, o que deve avançar com a quebra do sigilo telefônico nos próximos dias.

Até a publicação deste texto, a reportagem não havia conseguido contato com a defesa de Renan Augusto Gomes.

Casos do tipo chegam à Justiça e incluem indenizações
Como o Estadão mostrou, histórias desse tipo não são incomuns: só na Justiça de São Paulo, há dezenas de processos contra homens que fingiam ter planos de relacionamento para enredar mulheres em uma trama de dívidas. O tema também ganhou espaço no Congresso: um projeto de lei, o 6444/2019, visa a tipificar o crime de estelionato sentimental, quando a vítima é induzida a entregar bens com a promessa de constituir uma relação afetiva. O texto foi aprovado na Câmara em agosto e ainda precisa passar pelo Senado.

Créditos: R7.



Leia também:

Terra Brasil Notícias