Putin convoca 300 mil reservistas e faz ameaça nuclear: ‘não é um blefe’

Putin convoca 300 mil reservistas e faz ameaça nuclear: ‘não é um blefe’

Em pronunciamento inédito, presidente da Rússia disse também ter prorrogado contratos dos soldados que lutam na Ucrânia por tempo indeterminado. Europeus se disseram preocupados com as ameaças, feitas após rápida contraofensiva das forças ucranianas.

Em um pronunciamento inédito à nação pela TV, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quarta-feira (21) que convocará cerca de 300 mil cidadãos da reserva para se unirem às tropas russas na Ucrânia, prorrogou o contrato de soldados no campo de batalha e fez ameaças nucleares ao Ocidente. 

Esta é a primeira mobilização militar feita pela Rússia desde a Segunda Guerra Mundial. 

“Isto não é um blefe”, declarou o líder russo. “Vários representantes do alto escalão de países da Otan falam da possibilidade e admissibilidade de usar armas de destruição em massa contra a Rússia. Falam até de ameaça nuclear. Quero dizer a quem diz isso que nosso país possui uma variedade de armas de destruição, algumas mais modernas até que as dos países da Otan”.

No discurso, também sem precedentes desde o início da guerra da Ucrânia, em fevereiro, Putin disse já ter assinado o decreto que estabelece a convocação dos cerca de 300 mil reservistas, o que gerou revolta de parte da população e busca por passagens saindo de Moscou.

O líder russo não deixou claro a partir de quando os reservistas começarão a ser convocados, e nem quanto tempo será necessário para convocar todos eles. O que ficou claro, segundo Putin, é que apenas os que já têm alguma experiência militar entraram na lista da mobilização.

Ele anunciou ainda ter prorrogado indefinidamente os contratos dos soldados que já estão lutando no país vizinho e aumentado os gastos com a produção de armamentos. 

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, discursa em uma mensagem em vídeo transmitida durante uma conferência internacional de segurança  — Foto: Kremlin.ru via Reuters

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, discursa em uma mensagem em vídeo transmitida durante uma conferência internacional de segurança — Foto: Kremlin.ru via Reuters 

O discurso ameaçador de Putin preocupou o Ocidente e foi feito em um momento no qual o governo ucraniano faz uma forte e veloz operação de contraofensiva, com o apoio logístico dos países europeus e dos Estados Unidos. 

No pronunciamento, o presidente russo disse também que dará apoio aos referendos de separação da Ucrânia anunciados em regiões como Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia, invadidas pela Rússia. As consultas públicas ocorrerão neste fim de semana.

Além do financiamento da produção de armas nessas regiões, Putin afirmou também que dará status legal aos voluntários combatendo ao lado das tropas russas nessas frentes. 

Protestos

Dentro da Rússia, o anúncio gerou reações. Poucas horas depois do pronunciamento de Putin, centenas de pessoas fizeram protestos em Moscou, e ao menos 66 pessoas foram presas, de acordo com o grupo de monitoramento da perseguição política na Rússia OvdInfo.




Leia também:

Terra Brasil Notícias