População do Irã se revolta após morte de mulher presa por não usar véu

População do Irã se revolta após morte de mulher presa por não usar véu

“Cara Mahsa, seu nome se tornará um símbolo”, titula a primeira página do jornal de negócios “Asia” neste domingo (18), em uníssono com grande parte da imprensa iraniana, chocada com a morte de uma jovem mulher presa pela polícia moral do Irã por não estar usando o véu islâmico em público.

A unidade policial, responsável pela aplicação do véu muçulmano obrigatório no país, tem sido criticada diversas vezes nos últimos meses por suas intervenções violentas contra mulheres suspeitas de violar o código de vestuário em vigor no país desde a revolução islâmica em 1979.

Mahsa Amini, 22, natural do Curdistão, no noroeste do Irã, estava visitando a capital com sua família quando ela foi presa na terça-feira pela polícia, que impõe regras rígidas de vestuário para as mulheres.

Dias depois, ela foi hospitalizada em Teerã, onde ficou três dias em coma e acabou morrendo no hospital, onde uma multidão já se reunia para protestar contra o caso. A informação é do G1.

A polícia de Teerã disse que “não houve contato físico” entre os policiais e a jovem mulher. O presidente iraniano, Ebrahim Raissi, pediu uma investigação. “A nação expressou seu pesar pela triste morte de Mahsa”, escreveu o jornal ultraconservador Javan.

Em Saghez, sua cidade natal onde ela foi enterrada no sábado (17), os moradores jogaram pedras no escritório do governador e gritaram slogans hostis. Neste domingo (18), quase toda a imprensa da capital dedicou suas primeiras páginas e páginas inteiras à tragédia.

“O público está revoltado e irritado com o que aconteceu com Mahsa Amini”, observou o jornal reformista Etemad, observando que a nação tem visto “violência repetida pela polícia de moralidade”. O jornal moderado Jomhouri Eslami advertiu sobre a “fratura social” causada pelo “comportamento violento” dos policiais.

O diário do governo iraniano acusou os reformadores de “explorar as emoções do povo usando um infeliz incidente para virar a nação contra o governo e o presidente”.

O jornal ultraconservador Kayhan observou que “o volume de rumores e mentiras levantados após a morte de Mahsa aumentou consideravelmente”. “Entretanto, a divulgação das filmagens do incidente pela polícia tem confundido oportunistas que queriam usar o incidente”, disse o jornal.

O veículo se refere a um pequeno vídeo de vigilância transmitido pela televisão oficial mostrando uma mulher apresentada como Mahsa desmaiando na delegacia após uma discussão com uma mulher policial.

Mais de um milhão de tuítes

Muitos cineastas, artistas, personalidades esportivas, políticos e figuras religiosas expressaram sua raiva nas mídias sociais.

O ex-presidente e líder reformista Mohammad Khatami pediu às autoridades que “pusessem fim às ações contra a lei, a lógica e a Sharia” e “levassem os autores do incidente à justiça”.

O aiatolá Assadollah Bayat Zanjani denunciou como “ilegítimos” e “ilegais” todos os “comportamentos e eventos” que levaram a “este infeliz e lamentável incidente”. “O Corão impede claramente que os fiéis utilizem a força para impor o que consideram ser valores religiosos e morais”, disse ele.

O diretor de cinema Asghar Farhadi, vencedor de dois Oscars de melhor filme estrangeiro, observou que “Mahsa está mais viva hoje do que nós” porque “estamos dormindo, sem reação a esta crueldade sem fim, somos cúmplices deste crime”.

“Se eles são muçulmanos, que Deus me faça um infiel”, disse o atacante do Bayer Leverkusen Sardar Azmoun.

“O cabelo de nossas filhas está coberto com uma mortalha”, escreveram vários jogadores da seleção nacional de futebol em uma história conjunta sobre a Instagram.

No Twitter, a hashtag persa #Mahsa_Amini ficou em primeiro lugar neste domingo, com quase 1,5 milhão de tuítes.




Leia também:

Terra Brasil Notícias