Bolsonaro promete desonerar folha de pagamento de mais categorias do setor produtivo

Bolsonaro promete desonerar folha de pagamento de mais categorias do setor produtivo

Presidente diz que medida pode facilitar geração de empregos e estimular a economia e que vai conversar com o ministro Guedes

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (20) que quer ampliar a quantidade de setores da economia que são contemplados com a desoneração da folha de pagamento. A desoneração beneficia as empresas, porque reduz os encargos trabalhistas que são pagos por elas.

A medida possibilita às companhias pagar a contribuição previdenciária dos trabalhadores sobre o faturamento com alíquota de 1% a 4,5%, e não de 20% sobre os salários. 

Uma lei aprovada pelo Congresso Nacional no ano passado e sancionada por Bolsonaro garante a desoneração a 17 setores da economia até o fim de 2023, como indústria (couro, calçados, confecções, têxtil, aves, suínos e derivados etc.), serviços (TI & TIC, call center, hotéis, design houses etc.), transportes (rodoviário de carga, aéreo, metroferroviário etc.) e construção.

“Nós estamos batendo recordes de arrecadação no Brasil. A gente não precisa voltar a cobrar o que seria 20% na folha de salário. Pode continuar [com] 1 a 4,5% [para os] 17 setores. Pode, no meu entender, agregar mais alguns setores. Você até simplifica essa questão toda. Quanto menos imposto a gente cobra, a arrecadação aumenta”, comentou Bolsonaro durante um evento promovido pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

O presidente comentou que vai conversar sobre o assunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, mas informou que ele não deve se opor à ampliação da iniciativa.

“A minha opinião, se bem que eu só decido uma coisa depois que falo com o respectivo ministro, acredito que dê para você colocar mais setores dentro dessa pauta da desoneração da folha. Facilita a vida de todo mundo. No meu entender, gira com maior facilidade a economia, cria-se mais emprego”, analisou.

“Acredito que Paulo Guedes vai aceitar a inclusão de mais categorias dentro dessa pauta da desoneração. Até porque estamos batendo recorde de arrecadação”, completou Bolsonaro.




Leia também:

Terra Brasil Notícias