Presidente esquerdista do Peru pode ser processado por traição à pátria

Presidente esquerdista do Peru pode ser processado por traição à pátria

O presidente do Peru, Pedro Castillo, corre o risco de ser processado por traição à pátria. Isso porque o chefe do Executivo considerou um referendo popular para conceder à Bolívia uma saída para o mar, segundo relatório feito pelo Congresso Nacional divulgado por parlamentares na terça-feira 9.

“Recomenda-se: acusar por procedimento prévio político o investigado José Pedro Castillo Terrones, na qualidade de presidente da República, como autor do crime de Traição à Pátria”, informa o documento da Subcomissão de Acusações Constitucionais do Congresso do Peru.

A papelada também propõe que seja imposta “a sanção de inabilitação por cinco anos para o exercício de cargos públicos”. A recomendação deve ser votada pela subcomissão e depois debatida pelo plenário do Congresso, onde, se aprovada, pode levar ao pedido de destituição do presidente.

O relatório, assinado pelo congressista conservador Wilson Soto Palacios, baseia-se em uma polêmica entrevista dada por Castillo em janeiro à CNN. Nela, o presidente não descartou facilitar o acesso ao mar boliviano se a população decidir por meio de um referendo popular.

“Consultaremos o povo, para isso é necessário que o povo se manifeste”, respondeu o presidente, ao ser perguntado se achava que o Peru poderia dar à Bolívia uma saída para o mar, como havia afirmado antes de ser candidato e vencer as eleições em 2021.




Leia também:

Terra Brasil Notícias