Justiça de SP mantém prisão de policial acusado de matar Leandro Lo

Justiça de SP mantém prisão de policial acusado de matar Leandro Lo

A Justiça de São Paulo manteve a prisão temporária do policial militar Henrique Otavio Oliveira Velozo, acusado de matar com um tiro o lutador de jiu-jítsu Leandro Lo Pereira do Nascimento, de 33 anos, na madrugada de domingo (7).

Em audiência de custódia realizada nesta segunda-feira (8), no Fórum Criminal Ministro Mário Guimarães, na Barra Funda, o juízo considerou que não houve ilegalidade no cumprimento do mandado de prisão temporária do tenente.

Condenação por caso de agressão em 2017

Mais cedo, o TJM (Tribunal de Justiça Militar) confirmou que o policial cumpria pena em regime aberto desde 20 de julho por ter agredido um PM durante uma confusão em uma balada na zona oeste de São Paulo, em outubro de 2017.

Henrique Velozo e o primo Iury Oliveira Nascimento frequentavam a casa noturna The Week. Um grupo de sete pessoas começou a discutir com Iury e, em determinado momento, partiu para cima da vítima e de Henrique. Ambos ficaram feridos.

Todos os envolvidos foram expulsos da balada e a Polícia Militar, acionada. O policial Flávio Alves Ferreira, que estava atendendo à ocorrência, se afastou, com um braço, de Henrique, que desferiu um soco no rosto dele. O policial de folga, que aparentava estar embriagado, também desacatou outros policiais no local.

Em 15 de setembro de 2020, Henrique foi julgado e absolvido em primeira instância, uma vez que as agressões não estavam evidentes no corpo de Flávio. Porém ele foi julgado em segunda instância após uma apelação do Ministério Público de São Paulo, desta vez com vídeos que comprovavam as agressões.

O policial foi condenado a cumprir nove meses em regime aberto, que começaram em 20 de julho deste ano.

O caso

O atleta, que teve morte cerebral, foi baleado na cabeça durante uma briga em um show no Esporte Clube Sírio, no bairro Planalto Paulista, na madrugada deste domingo (7). O acusado estava de folga.

De acordo com a SSP, a Polícia Militar instaurou uma apuração administrativa contra o policial militar. O caso é investigado pelo 16° DP (Vila Clementino).

O advogado que acompanha o caso, Ivã Siqueira Júnior, confirmou a morte cerebral do atleta, que foi levado para o Hospital Municipal Dr. Arthur Ribeiro de Saboya.

Conforme testemunhas, o policial foi à mesa de Leandro Lo após uma discussão. O PM teria pegado uma garrafa, enquanto o lutador se levantou, tirou o objeto da mão do agente e, em um golpe de luta, o derrubou e imobilizou.

Naquele momento, colegas da vítima separaram os dois e tentaram encerrar a briga. O agente, minutos depois, deu uma volta na mesa e, diante do lutador, sacou uma arma e efetuou o disparo, que atingiu a região frontal da cabeça da vítima.

Segundo o advogado que acompanha o caso, o agente teria feito uma “provocação” a Leandro Lo ao chacoalhar uma garrafa na mesa do lutador. Quando o atleta imobilizou o agente, os amigos próximos à mesa tentaram separá-los. “Ele foi embora sem reagir, mas depois voltou e efetuou um único tiro na região da cabeça”, explica o advogado.




Leia também:

Terra Brasil Notícias