Justiça da Bolívia prorroga novamente prisão da ex-presidente Jeanine Áñez

Justiça da Bolívia prorroga novamente prisão da ex-presidente Jeanine Áñez

Um juiz boliviano prorrogou na terça-feira (16) a prisão preventiva por três meses à ex-presidente interina da Bolívia Jeanine Áñez pelo caso “golpe de Estado I “, processo no qual ela é acusada de terrorismo, sedição e conspiração junto com outros dois funcionários do seu governo.

O pedido foi feito pelo juiz Armando Zeballos, de La Paz , após avaliar o pedido de ampliação do caso proposto pelo Ministério Público, ao qual se juntou a Procuradoria Geral do Estado (PGE) e o Ministério do Governo (Interior), em audiência virtual.

No início, o promotor Carmelo Laura justificou o pedido de prorrogação da prisão de Áñez e dois de seus ex-ministros, Álvaro Coímbra e Álvaro Guzmán,porque “há processos pendentes” no caso que foi aberto em novembro de 2020 após a denúncia de um ex-deputado do Movimento para o Socialismo (MAS).

O procurador assegurou que o Ministério Público “demonstrou objetivamente” a probabilidade de perpetração dos crimes pelos arguidos Áñez, Coímbra e Guzmán e afirmou que subsistem os riscos de fuga e obstrução da investigação.

De igual modo, o representante da PGE referiu que “não foram realizados atos de investigação” como a recolha de vários depoimentos de testemunhas, a realização de inspeções e perícias de vídeo, apesar do tempo decorrido.

O advogado Luis Guillén , que representa Áñez, lembrou que a denúncia foi inicialmente dirigida principalmente ao líder da oposição e governador de Santa Cruz, Luis Fernando Camacho , que até agora não teve depoimento, e que o processo no início não incluem Áñez, Coímbra ou Guzmán.

Desde 2020 “estamos constantemente ampliando as prisões preventivas”, esse novo pedido “ocorre fora dos horários estabelecidos em nosso regulamento”, opôs Guillén ao juiz.

Na audiência, o ex-ministro Coimbra disse ao Ministério Público que não faça o seu trabalho de ouvir declarações no caso, o que, na sua opinião, mostra que se trata de “um processo eminentemente político”.

Na conclusão da audiência, Áñez afirmou em algumas postagens no Twitter que “os promotores e o governo dizem a mesma coisa (todas as vezes) para estender a prisão preventiva a cada 3 ou 4 meses”.

“ Nenhum mostrou bombas, armas, aviões sequestrados, qualquer ato terrorista. O juiz Zeballos dirige o processo político-fiscal-judicial #Patraña1 ”, questionou o ex-presidente.

O caso “golpe de Estado I” foi a primeira denúncia apresentada devido aos acontecimentos da crise política de 2019 e que em primeira instância foi dirigida ao então líder cívico de Santa Cruz Luis Fernando Camacho, seu pai e alguns ex- chefes de polícia.

A mensagem publicada pela ex-presidente da Bolívia em suas redes sociais

A mensagem publicada pela ex-presidente da Bolívia em suas redes sociais

Em uma extensão da demanda, foram incorporados Áñez, Coímbra e Guzmán, com os quais sua prisão preventiva foi processada desde março do ano passado nas penitenciárias de La Paz e posteriormente essa medida cautelar foi prolongada para estender a fase investigativa.

Soma-se a este processo de forma ordinária o caso do ” golpe de Estado II “, pelo qual em junho passado Áñez foi condenado a 10 anos de  crimes de resolução contra a Constituição e violação de deveres.

Neste último julgamento, o Ministério Público e o Governo argumentaram que Áñez, na qualidade de ex-senadora, “autoproclamou-se” presidente em 2019 após violar os regulamentos do Senado e da Câmara dos Deputados e que essa investidura deveria cair. a um legislador do MAS, após a renúncia do ex-presidente Evo Morales , seu vice-presidente e outras autoridades na linha de sucessão.

A situação de Áñez gerou o pronunciamento de vários organismos internacionais que consideraram que um julgamento de responsabilidades corresponde a ela e não a processos por meios ordinários.

(Com informações da EFE)




Leia também:

Terra Brasil Notícias