China usa navios e caças para simular invasão militar a Taiwan

China usa navios e caças para simular invasão militar a Taiwan

Taiwan acusou, neste sábado (6), a China de encenar um ataque à sua principal enquanto Pequim intensificou sua retaliação à visita da deputada dos Estados Unidos Nancy Pelosi a Taipei, capital taiwanesa, o que provocou a suspensão da cooperação com os Estados Unidos em questões-chave.

Pequim continuou no sábado com alguns de seus maiores exercícios militares em torno de Taiwan, com o objetivo de praticar um bloqueio e invasão da ilha, segundo analistas.

As forças de Taipei “detectaram vários grupos de aviões e navios comunistas realizando atividades ao redor do Estreito de Taiwan […], o que foi interpretado como um ataque simulado à principal ilha de Taiwan”, disse o Ministério da Defesa taiwanês em um comunicado.

“Nas águas ao redor da ilha de Taiwan, mais de 10 encouraçados e escoltas marinhas do Comando Oriental se aproximaram de diferentes direções para realizar operações de contenção”, disse o Comando Oriental dos militares chineses em comunicado sobre os exercícios.

Durante a noite, as forças chinesas divulgaram o vídeo de um piloto gravando a costa e as montanhas da ilha de seu cockpit, mostrando o quão perto as forças chinesas chegaram de Taiwan.

O Comando Leste do Exército também compartilhou uma foto supostamente tirada de um navio de guerra patrulhando perto de Taiwan, que mostrava claramente o litoral da ilha.

A televisão estatal chinesa CCTV informou que os mísseis chineses voaram diretamente sobre Taiwan durante os exercícios, embora isso não tenha sido confirmado.

Pequim também informou que realizará um exercício de tiro real no sul do Mar Amarelo – localizado entre a China e a península coreana – entre este sábado e 15 de agosto.

Apesar das ameças da China, Taiwan mantém o tom desafiador, insistindo que não vai se curvar ao “vizinho do mal”.

As relações entre as duas superpotências pioraram após a visita de Pelosi, que é presidente da Câmara dos Estados Unidos, à ilha autônoma que a China considera parte de seu território.

O meio-ambiente se tornou a mais recente vítima na batalha geopolítica, com Pequim dizendo que se retiraria das negociações e acordos de cooperação com Washington, particularmente sobre mudança climática e cooperação em defesa.

Ambos os países, os maiores poluidores do mundo, prometeram trabalhar juntos para acelerar a ação climática e se reunir regularmente para enfrentar a crise, mas o acordo agora parece incerto.

Manutenção da paz

A escala e a intensidade dos exercícios chineses atraíram críticas nos Estados Unidos e em outros países. A Casa Branca convocou o embaixador chinês em Washington na sexta-feira (5) para reclamar das ações de Pequim.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em reunião com seu colega filipino em Manila, disse que Washington está comprometida em “agir com responsabilidade” para evitar uma crise.

“Manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan é fundamental não apenas para Taiwan, mas para as Filipinas e muitos outros países”, disse Blinken a repórteres após o encontro com Enrique Manalo.

Um dia antes, Blinken divulgou um comunicado com os ministros das Relações Exteriores do Japão e da Austrália para pedir à China que interrompa suas manobras militares.

Mas, além dos exercícios militares, a decisão de Pequim de se retirar do acordo de cooperação climática também gera temores.

“É impossível lidar com a emergência climática se as economias número um e dois e os emissores número um e dois não agirem”, disse à AFP Alden Meyer, do centro de estudos sobre o clima E3G.

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, chamou a decisão de “fundamentalmente irresponsável”.

Por sua vez, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alertou que as duas superpotências devem continuar trabalhando juntas para o bem do mundo.

“Para o secretário-geral, não há como resolver os problemas mais urgentes do mundo sem diálogo e cooperação efetivos entre os dois países”, disse o porta-voz Stephane Dujarric.

Nova normalidade

As tensões sobre Taiwan, que escalaram ao nível mais alto em quase 30 anos, e um risco iminente de um conflito militar poderão aprofundar e tornar duradouros os problemas de relação entre China e Estados Unidos. 

“A relação está muito mal agora”, indicou Bonnie Glaser, especialista em assuntos relacionados à China do Fundo Alemão Marshall. A suspensão na sexta do diálogo militar e marítimo entre os dois países é “especialmente preocupante”, disse. “Não sabemos mais o que farão”, acrescentou.

John Culver, ex-analista da CIA para a Ásia, considerou que a principal intenção de Pequim com os exercícios militares é mudar o statu quo. “Acredito que essa é o novo normal”, assegurou durante um debate organizado pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Os chineses querem mostrar […] que se cruou uma linha com a visita” de Pelosi a Taiwan, completou.

Créditos: R7.




Leia também:

Terra Brasil Notícias