“Saia, Partido Comunista!”: Protestos contra política de lockdown se espalham pela China

“Saia, Partido Comunista!”: Protestos contra política de lockdown se espalham pela China

Foto: Getty Images.

Protestos se espalharam em toda a China no sábado (26), inclusive em universidades e em Xangai, onde centenas gritavam “Abaixo, Xi Jinping! Saia, Partido Comunista!” em uma demonstração sem precedentes de desafio contra a rigorosa e cada vez mais cara política Covid zero do país.

Um incêndio mortal em um prédio de apartamentos em Urumqi, capital da região do extremo Oeste de Xinjiang, que matou 10 pessoas e feriu nove na quinta-feira (24), atuou como um catalisador para a raiva do público, à medida que surgiram vídeos que pareciam sugerir que medidas de bloqueio atrasaram os bombeiros no socorro às vítimas.

Protestos eclodiram em cidades e universidades em toda a China no sábado, com alguns se estendendo até o domingo (27), de acordo com vídeos de redes sociais e relatos de testemunhas.

Em dezenas de campi universitários, os estudantes realizaram reuniões ou colocaram cartazes para lamentar os mortos do incêndio de Xinjiang e se manifestar contra o a política extremamente restritiva. Em várias cidades, moradores de bairros fechados derrubaram barreiras e saíram às ruas, após protestos antibloqueio em massa que varreram Urumqi na noite de sexta-feira (25).

Tais cenas generalizadas de raiva e enfrentamento são excepcionalmente raras na China, onde o Partido Comunista reprime impiedosamente todas as expressões de dissidência. Mas, três anos após o início da pandemia, muitas pessoas foram levadas ao limite pelo uso incessante de bloqueios, testes de Covid e quarentenas pelo governo. A raiva do público atingiu um ponto de ebulição após uma série de mortes comoventes que foram atribuídas às medidas de controle.

A raiva levou a atos notáveis de enfrentamento na noite de sábado em Xangai, onde centenas de moradores se reuniram em um cruzamento para lamentar as vítimas do incêndio de Xinjiang, de acordo com vídeos amplamente divulgados – e prontamente censurados – nas mídias sociais chinesas e no relato de uma testemunha.

Ao redor de um memorial improvisado com velas, flores e cartazes, a multidão ergueu folhas de papel em branco – no que é tradicionalmente um protesto simbólico contra a censura – e gritou: “Preciso de direitos humanos, preciso de liberdade”.

Em vários vídeos vistos pela CNN, as pessoas podiam ser ouvidas gritando exigências para que o líder da China, Xi Jinping, e o Partido Comunista “renunciassem”. A multidão também gritou: “Não quero teste de Covid, quero liberdade!” e “Não quero ditadura, quero democracia!”

Alguns vídeos mostram pessoas cantando o hino nacional da China e o The Internationale, um padrão do movimento socialista, enquanto seguram faixas protestando contra as medidas excepcionalmente rigorosas de pandemia do país.

Filas de policiais, que inicialmente observavam de fora, começaram a se mover para rechaçar e dividir a multidão por volta das 3h, provocando confrontos tensos com os manifestantes, de acordo com uma testemunha.

A testemunha disse à CNN que viu várias pessoas serem presas e levadas para um veículo policial próximo ao memorial improvisado depois das 4h30. Eles também viram vários manifestantes sendo agarrados pelos policiais da multidão e levados para trás da linha policial. O protesto se dispersou gradualmente antes do amanhecer, disse a testemunha.

Protestos em universidades

Muitos dos protestos ocorreram em campi universitários – que são particularmente sensíveis politicamente ao Partido Comunista, dada a história dos protestos liderados por estudantes na Praça da Paz Celestial em 1989.

Por volta da meia-noite de domingo, cerca de 100 estudantes se reuniram em torno de um slogan de protesto pintado em uma parede da prestigiosa Universidade de Pequim. Um estudante disse à CNN que, quando chegou ao local por volta de 1h, os seguranças usavam jaquetas para cobrir a placa de protesto.

“Diga não ao confinamento, sim à liberdade. Não ao teste de Covid, sim à comida”, dizia a mensagem escrita em tinta vermelha, ecoando o slogan de um protesto ocorrido em um viaduto de Pequim em outubro, poucos dias antes de uma importante reunião do Partido Comunista na qual Xi garantiu um terceiro mandato em potência.

“Abra os olhos e olhe para o mundo, a dinâmica Covid zero é uma mentira”, dizia o slogan do protesto na Universidade de Pequim.

O aluno disse que os seguranças cobriram o slogan com tinta preta.

Os alunos mais tarde se reuniram para cantar The Internationale antes de serem dispersos por professores e seguranças.

Na província oriental de Jiangsu, pelo menos dezenas de estudantes da Universidade de Comunicação da China, Nanjing, se reuniram na noite de sábado para lamentar aqueles que morreram no incêndio de Xinjiang. Os vídeos mostram os alunos segurando folhas de papel branco e lanternas de celular.

Em um vídeo, um funcionário da universidade pode ser ouvido alertando os alunos: “Vocês vão pagar pelo que fizeram hoje”.

“Você também, e o país também”, gritou um estudante em resposta.

Os protestos no campus continuaram no domingo. Na Universidade de Tsinghua, outra importante instituição de Pequim, centenas de estudantes se reuniram em uma praça para protestar contra a Covid zero e a censura.

Vídeos e imagens que circulam nas redes sociais mostram estudantes segurando folhas de papel branco e gritando: “Democracia e Estado de Direito! Liberdade de expressão!”.

Em um vídeo, uma aluna pode ser ouvida gritando para os aplausos da multidão: “A partir de hoje, não farei mais sexo oral para o poder do estado!”

Créditos: CNN Brasil.



Leia também:

Terra Brasil Notícias