Diagnosticada com esclerose múltipla, atriz Ludmila Dayer teve carreira de sucesso no Brasil

Diagnosticada com esclerose múltipla, atriz Ludmila Dayer teve carreira de sucesso no Brasil

A atriz e produtora Ludmila Dayer revelou que foi diagnosticada com esclerose múltipla em uma live com seus seguidores e muitos se perguntaram quais foram os últimos trabalhos dela. Morando nos Estados Unidos, ela tem circulado mais por trás das câmeras.

Hoje produtora, Ludmila começou a carreira aos 10 anos como atriz. Criança, ela participou do clássico “Carlota Joaquina, princesa do Brazil” (1995), que é um dos maiores expoentes da retomada do cinema brasileiro nos anos 90 e foi um sucesso de bilheteria. A participação lhe rendeu um prêmio APCA (Associação Paulista de críticos de Arte) de atriz coadjuvante.

Já na televisão, ela estreou na icônica “Xica da Silva” (1996), que era protagonizada por Taís Araújo na extinta TV Manchete. Em 1998, esteve na tela da Globo na novela “Corpo Dourado”. No ano seguinte, fez uma participação no seriado “Mulher”.

Ludmila estreou como protagonista nos anos 2000 durante a sétima temporada de “Malhação”. À época, sua personagem, Joana, foi uma das mocinhas mais queridas. “Tenho as melhores lembranças. Malhação marcou não só a minha carreira como também a minha adolescência, e de muitos da minha geração. Até hoje sou reconhecida por esse trabalho”, contou ao Gshow.

Um dos seus personagens mais carismáticos, já com o público mais adulto, foi a engraçadas Danielle Meira, de “Senhora do Destino” (2004). Ela era a namorada do bicheiro e presidente de escola de samba Giovanni Improta (José Wilker) e arrancou gargalhadas do público.

Antes de se mudar para os Estados Unidos, em 2006, a atriz ainda fez participações especiais no “Sítio do Picapau Amarelo” e no programa “Brava Gente”. Já na América do Norte, ela se empenhou em montar a produtora Lupi Productions, que é especializada em conteúdo multimídia.

“A maior diferença que sinto é que nos EUA existe uma urgência para as coisas, um comprometimento, talvez por conta da grande competição. Esse lifestyle foi uma dificuldade para mim no início. Eu achava as pessoas muito duras, diretas, frias… mas hoje em dia eu também sou assim. Hoje vejo que não é frieza, é praticidade, na verdade. Mas isso é uma questão cultural, não tem bom nem ruim, mas jeitos diferentes”, explicou ao Gshow.

Em 2013, Ludmila voltou ao Brasil para atuar. Ela viveu a personagem Cibele no episódio “Amados Amantes” da série “Louco Por Elas”, da Globo.




Leia também:

Terra Brasil Notícias