Autor do ataque à faca contra Salman Rushdie é identificado pela polícia

Autor do ataque à faca contra Salman Rushdie é identificado pela polícia

O homem acusado de esfaquear o escritor Salman Rushdie em um palco no oeste de Nova York na sexta-feira é um homem de 24 anos de Fairview, Nova Jersey, segundo as autoridades. A polícia identificou o suspeito como Hadi Matar, 24, em um comunicado distribuído horas após o ataque do autor indiano.

Rushdie, 75, estava prestes a falar em um festival literário organizado pela Chautauqua Institution no final da manhã quando Matar supostamente correu para o palco e o esfaqueou pelo menos uma vez no pescoço e no estômago, disse o major Eugene Staniszewski, da polícia do estado de Nova York. A informação é do Gazeta Brasil.

Espectadores e funcionários da instituição correram para Matar e o atacaram após o esfaqueamento, acrescentou Staniszewski. Um policial estadual e um delegado do escritório do xerife local que trabalhavam na segurança da conversa, então, entraram e o prenderam.

Um médico que assistia ao discurso de Rushdie tratou o autor ferido até que uma equipe de helicóptero pudesse levá-lo a um hospital, onde ele passou por uma cirurgia.

O agente de Rushdie, Andrew Wylie, disse na sexta-feira à noite que foi colocado em um ventilador e sofreu ferimentos significativos: “As notícias não são boas. Salman provavelmente perderá um olho; os nervos de seu braço foram cortados; e seu fígado foi esfaqueado e danificado.”

O orador que apresentou Rushdie, Ralph Henry Reese, de 73 anos, foi tratado e liberado pelo que Staniszewski descreveu como uma lesão facial relativamente pequena.

O romance de Rushdie The Satanic Verses – centrado em dois muçulmanos indianos que vivem na Inglaterra – foi proibido no Irã desde 1988, com muitos muçulmanos considerando-o uma blasfêmia.

Staniszewski disse que a polícia não determinou um motivo para o suposto ataque de Matar a Rushdie, embora agentes do FBI tenham chegado para ajudar autoridades locais e estaduais em sua investigação sobre o esfaqueamento que ganhou as manchetes internacionais.

As acusações exatas contra Matar, que comprara um ingresso para a palestra de sexta-feira, também dependeriam da condição de Rushdie após o esfaqueamento.

Muitos notaram que o falecido líder do Irã, o aiatolá Ruhollah Khomeini, pediu a morte de Rushdie em 1989, com uma recompensa de mais de US$ 3 milhões sendo oferecida para quem matasse o autor.

O New York Post , citando fontes policiais, informou que Matar simpatizava com o governo iraniano. A polícia ainda não anunciou o motivo.

O governo do Irã há muito se distanciou da fatwa do aiatolá, ou edito, que pedia a vida de Rushdie. Mas o sentimento anti-Rushdie persistiu.

O presidente da Chautauqua Institution, Michael Hill, disse que sua organização se certificou com antecedência de ter policiais à disposição para a palestra de Rushdie. Ele disse que o esfaqueamento foi “diferente de tudo nos quase 150 anos de história [da instituição]”.

“Tenha certeza de que retornaremos aos nossos púlpitos e pódios”, disse Hill enquanto orava às famílias de Rushdie e Reese. “Continuaremos a convocar as conversas críticas que podem ajudar a construir empatia, obviamente, o que agora é mais importante do que nunca.”




Leia também:

Terra Brasil Notícias