Dirceu defende Rússia no conflito com Ucrânia: “guerra se tornou imperativa”

Dirceu defende Rússia no conflito com Ucrânia: “guerra se tornou imperativa”

Declaração do ex-ministro de governos petistas foi dada durante a comemoração de seus 76 anos em um restaurante em Brasília

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT) defendeu nesta sexta-feira (18) a posição da Rússia na invasão da Ucrânia, que já dura mais de 20 dias.

“A guerra se tornou imperativa para a Rússia, porque ela foi cercada pela Otan [Organização do Tratado do Atlântico Norte] e pelos Estados Unidos. Esse conflito vem de 2008, quando os EUA, pelas mãos da Geórgia, começaram a intervir nos assuntos da federação russa, o que levou Putin a invadir a Geórgia. Agora essa equivocada política de tornar uma Ucrânia neutra, desmilitarizada, com boas relações com a Rússia, uma Ucrânia militarizada, da Otan, com armas e mísseis, o que para a Rússia significa uma declaração de guerra”, declarou.

Segundo o ex-ministro, os Estados Unidos “também iniciaram uma escalada contra a China, desde o início do governo Trump, ou seja, os Estados Unidos não admite um redesenho do mundo. O mundo hoje é multipolar, você não pode desconhecer os países, sao países que têm que ter voz nas resolução dos problemas mundiais.”

A declaração foi dada durante a comemoração de 76 anos em um restaurante em Brasília.

Segundo o petista, a posição do Brasil no conflito deveria seguir a não-intervenção e em “busca de solucionar o conflitos por meios pacíficos, essa é nossa posição”.

No evento, Dirceu falou ainda sobre a possível aliança entre Geraldo Alckmin, que se filiou ao PSB, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e disse ainda que não participará de eventual governo do petista.




Leia também:

Terra Brasil Notícias