Presidente do PT diz que privatização da Eletrobras será ‘revista’ caso Lula seja eleito

Presidente do PT diz que privatização da Eletrobras será ‘revista’ caso Lula seja eleito

Gleisi Hoffmann chamou de ‘barbaridade’ modelo para proposta de desestatização do governo brasileiro

PT defende a revisão do processo de privatização da Eletrobras. A possibilidade foi levantada depois de uma reunião entre a presidente do PT, Gleisi Hoffmann e o ex-presidente Lula. Gleisi afirmou que, em caso de vitória de Lula nas eleições de outubro, o processo de privatização da Eletrobras será completamente revisto, pois o partido considera o modelo atual muito ruim. A presidente da legenda não acredita que a privatização da estatal seja concluída antes da posse de um novo presidente. O modelo definido para a venda da estatal está em análise no Tribunal de Contas da União(TCU). Bolsonaro defendeu na sexta-feira, 11, o andamento das privatizações como dos Correios e da Eletrobras, mas disse que tudo depende do aval do Congresso. “A privatização não é pegar uma estatal, botar na prateleira e ‘quem quer comprar leva’. É muito complexo. O Supremo Tribunal Federal decidiu que muitas dessas estatais tem que passar pelo crivo do parlamento. Assim está sendo tratado os Correios e a questão da Eletrobras também. Temos muita coisa em andamento, porque é um processo demorado. E, ao longo dos próximos anos, se o governo continuar com a filosofia semelhante à nossa, isso irá se transformar numa realidade”, afirmou Bolsonaro.

Nesta sexta-feira, 11, Lula recomendou que aliados não fiquem constrangidos por denúncias de supostas irregularidades da Petrobras durante os governos petistas, mas sim que defendam a política energética de seu governo e apresentem saídas para o setor, A estratégia do PT é antecipar os debates sobre assuntos polêmicos para evitar o desgaste mais perto das eleições. Neste momento, o PT começa articular apoios para a eleição de outubro. A executiva nacional do PSOL confirmou que na próxima quarta-feira, 16, começa oficialmente as negociações para apoiar a candidatura de Lula na corrida ao Palácio do Planalto. Guilherme Boulos deve estar à frente para costurar esse acordo entre PT e PSOL. O presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, e a deputada federal Taliria Petroni também estão costurando os acordos. Mas, em troca do apoio a Lula, o PSOL vai estabelecer algumas condições como, por exemplo, a revogação da reforma trabalhista e a previdenciária, o teto de gastos, além do compromisso de que o PT fará uma reforma tributária para diminuir a taxação no consumo de bens essenciais e populares e crie a taxação de grandes fortunas.




Leia também:

Terra Brasil Notícias