Sem resultados para população, congelamento de preços termina na Argentina

Sem resultados para população, congelamento de preços termina na Argentina

Resultados esperados não se concretizaram

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, decidiu pôr fim ao congelamento de preços no país nesta terça-feira, 14. Assinada em 20 de outubro, a medida abrangia mais de mil alimentos da cesta básica.

Conforme o governo, o preço dos produtos teria de ser mantido até 7 de janeiro de 2022. No entanto, o congelamento de preços não controlou a alta inflação no país, como era esperado pelo Poder Executivo ao anunciar a medida.

Em outubro, o aumento dos preços na Argentina subiu 3,5% em relação ao mês anterior. Analistas esperam que o índice volte a ficar acima de 3% em novembro, apesar do decreto que supostamente ajudaria a economia.

Agora, para segurar os preços, a Secretaria de Comércio do Ministério da Economia da Argentina vai relançar o programa “Precios Cuidados”, da era Kirchner — o governo negocia com supermercados e produtores.

Na nova versão do programa, o Ministério da Economia pretende que cerca de 1,3 mil produtos básicos tenham seus preços regulados e controlados por consenso, não por imposição, como é o caso da medida de outubro.

O novo “Precios Cuidados” entrará em vigor no dia 8 de janeiro e deve ficar ativa no decorrer de 2022.




Leia também:

Terra Brasil Notícias