Manifestantes entram em confronto com a polícia em protesto contra medidas restritivas em Bruxelas

Manifestantes entram em confronto com a polícia em protesto contra medidas restritivas em Bruxelas

A polícia belga disparou canhões de água neste domingo (5) para dispersar os manifestantes que se opõem às medidas sanitárias obrigatórias contra a pandemia do coronavírus.

Manifestantes marcharam por Bruxelas em direção à sede da União Europeia, gritando “Liberdade!” e soltando fogos de artifício.

Os manifestantes foram impedidos de chegar à rotatória fora da sede da UE por uma barricada de arame farpado e uma linha de oficiais de choque.

Enquanto dois drones e um helicóptero circulavam no alto, eles lançaram fogos de artifício e latas de cerveja. A polícia respondeu com canhões de água e gás lacrimogêneo.

Conforme a multidão se dispersou em grupos menores ao redor do bairro europeu, houve mais confrontos e alguns atearam fogo em barricadas de lixo.

Vários países europeus tiveram manifestações nas últimas semanas, à medida que os governos respondem a um aumento nos casos de COVID com restrições mais rígidas .

Os organizadores dos protestos de domingo esperavam coincidir com a manifestação de 21 de novembro, durante a qual a polícia pareceu pega de surpresa quando o comício se tornou violento.

Os manifestantes se opuseram a medidas sanitárias obrigatórias, como máscaras, bloqueios e passes para vacinas, e alguns compartilham teorias de conspiração.

Banners compararam a estigmatização dos não vacinados ao tratamento dos judeus forçados a usar estrelas amarelas na Alemanha nazista.

“Covid = Genocídio Organizado”, dizia um cartaz. “O código QR é uma suástica”, declarou outro, referindo-se ao certificado digital seguro COVID da UE.

“Não posso suportar discriminação de nenhuma forma, e agora há o passe de vacina que é discriminatório, sanções para cuidadores [não vacinados] que também são discriminatórias, há vacinação obrigatória que está se aproximando”, disse um manifestante, professor de artes marciais Alain Sienaort , foi citado pela agência de notícias Reuters.

Créditos: Gazeta Brasil.




Leia também:

Terra Brasil Notícias