Lula faz foto com Alckmin, mas não anuncia chapa

Lula faz foto com Alckmin, mas não anuncia chapa

O jantar do grupo Prerrogativas em São Paulo (SP) teve um discurso do ex-presidiário Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e uma foto do petista com o ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido). Eles estudam lançar juntos uma candidatura a presidente e vice em 2022, mas a chapa unindo os rivais históricos, mesmo que vingue mais à frente, não será anunciada neste domingo (19).

O evento começou às 19h, no restaurante A Figueira Rubaiyat, em São Paulo. Cerca de 500 pessoas participam do jantar. O valor unitário do convite é de R$ 500 –há uma fila de espera com centenas de nomes. O valor arrecadado terá parte doada para a campanha “Tem Gente com Fome”, de auxílio a famílias de baixa renda.

Além de Lula e Alckmin, houve a presença de presidentes de partidos, como Gleisi Hoffmann (PT), Carlos Siqueira (PSB), Baleia Rossi (MDB), Gilberto Kassab (PSD), Renan Calheiros (MDB-AL), Luciana Santos (PC do B) e Paulinho da Força (Solidariedade).

Compareceram também o ex-ministro e ex-prefeito Fernando Haddad (PT) e o ex-governador Márcio França (PSB), que discutem uma aliança para a disputa majoritária em São Paulo no ano que vem, e governadores como Wellington Dias (PT), do Piauí, e Paulo Câmara (PSB), de Pernambuco.

O restaurante contou com um palco para discursos. Lula foi o único político a usar a palavra. Segundo o coordenador do grupo Prerrogativas, Marco Aurélio de Carvalho, o ex-presidente passou por todas as mesas e cumprimentou todos os convidados. Teve um espaço reservado apenas para comer.

“[O jantar] é um recado forte para a sociedade de que é possível superar diferenças, olhar para frente, enfrentar a miséria e focar nas convergências, em defesa da democracia e das instituições. Conter a ameaça de avanço do bolsonarismo, do ‘morismo’ e do lavajatismo, que são as forças mais perigosas e que, juntas, destruíram o país”, afirmou Carvalho na véspera do evento.

O evento marca o 1º encontro público entre o petista e o ex-tucano desde que as tratativas para a formação da chapa começaram a ser feitas nos bastidores. Haddad e Márcio França estão por trás da aproximação.

Desde março deste ano, quando teve as condenações na Lava Jato anuladas, Lula não disse categoricamente que disputaria as eleições de 2022, embora sempre tenha falado como pré-candidato em viagens a Estados brasileiros e ao exterior.

Alckmin também comentou pouco a possível aliança com o PT. Na quarta-feira (15), no entanto, anunciou sua desfiliação do PSDB, partido que integrou por 33 anos. Um dia depois, disse ter dado o “1º passo” rumo a uma possível chapa com Lula. Ao deixar o partido, ligou para o presidente do PSB, ampliando sua articulação com a sigla.

Créditos: Poder 360.




Leia também:

Terra Brasil Notícias