EUA condenam julgamentos cubanos de manifestantes anti-governo

EUA condenam julgamentos cubanos de manifestantes anti-governo

Os Estados Unidos condenaram nesta quinta-feira (23) os julgamentos por motivos políticos de mais de 90 cubanos que se envolveram em protestos antigovernamentais sem precedentes em julho.

“Desde 13 de dezembro, o regime cubano julgou 90+ # 11J manifestantes em Cuba”, disse o secretário adjunto para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Brian Nichols, em um tweet usando uma hashtag que se refere às manifestações de rua em 11 de julho.

“O mundo vê a magnitude dessas injustiças”, disse o funcionário do Departamento de Estado. “Acusações fraudulentas para silenciar e condições de prisão atrozes para manifestantes pacíficos.”

Nichols disse que as autoridades cubanas buscam sentenças de até 25 anos de prisão para alguns dos participantes dos protestos.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse que o tweet de Nichols tinha “a intenção de destacar a continuação da detenção de centenas de manifestantes pacíficos após protestos históricos e pacíficos em julho, bem como os julgamentos do regime cubano por motivos políticos”.

“Estes atuais processos judiciais, ocorrendo simultaneamente em toda a ilha, são uma afronta aos direitos humanos dos cubanos e suas demandas por liberdade”, disse o porta-voz.

“Promotores públicos cubanos fabricaram acusações falsas ou injustas como ‘sedição’ pelas ações de manifestantes pacíficos durante o 11 de julho na tentativa de silenciar dissidentes, reprimir futuros protestos pacíficos e intimidar os críticos do regime”, acrescentou o porta-voz.

O porta-voz do Departamento de Estado disse que o governo cubano parece manter os processos durante o período de festas de fim de ano para “ocultar os abusos dos direitos humanos”.

Os protestos em todo o país contra o regime comunista de Cuba foram os maiores desde a revolução de 1959.

Em 11 e 12 de julho, milhares de cubanos gritando “liberdade” e “estamos com fome” foram às ruas em cerca de 50 cidades para protestar contra as duras condições de vida e a repressão governamental.

Cerca de 1.270 pessoas foram presas, de acordo com o grupo de direitos humanos Cubalex, com sede em Miami.

Havana acusou Washington de fomentar euforia.




Leia também:

Terra Brasil Notícias