Estudo indica que é possível controlar Covid-19 sem lockdowns recorrentes, entenda

Estudo indica que é possível controlar Covid-19 sem lockdowns recorrentes, entenda

Enquanto o mundo ainda batalha para controlar os contágios de coronavírus quase dois anos depois do início da pandemia, um estudo indica que pode ser possível para as sociedades manter um número baixo de casos de
Covid-19 e níveis controlados no longo prazo com o uso estratégico de testes diagnósticos, rastreamento de contatos e políticas para isolar os infectados.

Essas estratégias compensariam parcialmente os eventos de disseminação local do vírus, e apenas restrições moderadas seriam necessárias, propõem os autores. Nesse equilíbrio, os novos casos diários seriam estabilizados
em cerca de dez infecções por milhão de pessoas ou menos.

Para referência, no Brasil, a média móvel de novos casos em sete dias registrada na quinta-feira passada foi de 71 casos por milhão de habitantes. Na mesma semana, o país teve média móvel de de 438 mortes por dia, a mais baixa em 11 meses.

A pesquisa usou modelagem matemática para simular os resultados de longo prazo dos números de Covid-19 com base em diferentes parâmetros. O estudo foi conduzido por uma equipe de pesquisadores do Instituto Max Planck para Dinâmicas e Auto-organização (Alemanha) e publicado no periódico Science Advances na sexta-feira (8).

A estabilidade do número de infecções pode ser prejudicada, no entanto, se as restrições forem reduzidas ou se os casos aumentarem muito. Quando as medidas de mitigação são insuficientes, os contágios podem ultrapassar o limite da capacidade local de testar, rastrear e isolar. Quando isso acontece, as autoridades de saúde não conseguem mais rastrear contatos e descobrir cadeias de infecção de forma eficiente, e portanto controlar a disseminação do vírus se torna mais difícil.

Nesse caso, os pesquisadores concluíram que um lockdown de quatro semanas pode restabelecer o controle do vírus, sem a necessidade de lockdowns repetidos.

“Em nosso cenário, um lockdown com duração de quatro semanas é suficiente para alcançar o regime estável. No entanto, se ele for suspenso muito cedo (antes de se completarem as quatro semanas), o número de casos vai
subir novamente logo em seguida”.

A pesquisa indica ainda que lockdowns repetidos não são necessários para manter o controle sobre a disseminação do coronavírus se uma redução moderada dos contatos entre as pessoas for mantida enquanto os números estão dentro da capacidade de teste, rastreio e isolamento.

Os autores defendem que essa estratégia de controle, que tem o objetivo de manter os números da Covid-19 abaixo do limite da capacidade de teste, rastreio e isolamento, é melhor do que a estratégia que foca em manter
os números abaixo do limite da capacidade de atendimento hospitalar. Segundo eles, o modelo que eles propõem exigiria menos restrições de contato (no longo prazo), teria uma duração menor de lockdown e custaria menos vidas.

Além disso, a estratégia de longo prazo para manter os níveis da Covid-19 baixos, sem impor tantas restrições ao contato entre as pessoas, traria benefícios para a saúde pública, bem-estar psicológico e a economia, afirmam os autores.

“Essa estratégia reduz os casos (e fatalidades) cumulativos quatro vezes mais do que as estratégias que apenas evitam colapso hospitalar. A longo prazo, a imunização, os testes em grande escala e a coordenação internacional
facilitarão ainda mais o controle”, diz o artigo.

A pesquisa foi concluída em dezembro de 2020, quando as campanhas de vacinação contra o coronavírus pelo mundo estavam ainda no início. Os pesquisadores dizem que a estratégia proposta é independente da disponibilidade de vacinas ou de uma cura. Ainda assim, segundo eles, as campanhas de vacinação devem facilitar o sucesso dessa estratégia para conter novas ondas de contágio.

Leia também:

Terra Brasil Notícias