“Por coincidência, quem faz o maior ativismo contra o voto auditável é o ministro Barroso, presidente do TSE”, diz Bolsonaro

“Por coincidência, quem faz o maior ativismo contra o voto auditável é o ministro Barroso, presidente do TSE”, diz Bolsonaro

Na manhã deste domingo (18), na porta do Hospital Vila Star, em São Paulo (SP), onde estava  internado por causa de uma obstrução intestinal, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o voto impresso auditável, disse que o  ministro Luís Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) , faz ativismo contra a PEC. Informa a matéria do Gazeta Brasil.

“Não entendo por que não querem o voto auditável. Será que esse voto eletrônico é usado no mundo todo? É tão confiável assim?”, questionou o presidente. “Tenho certeza de que a maioria de vocês não acredita no voto como está aí. As coisas evoluem. É igual banco. Eles buscam maneiras de evitar que hackers e bandidos entrem [no sistema].”.

“Por que a vontade doida do [Luís Roberto] Barroso de manter o sistema como está?”, perguntou Bolsonaro, ao lembrar que o sistema atualmente utilizado no Brasil “é dos anos 1990”. “A apuração  tem que ser também pública. Temos que afastar aquela história de que quem ganha eleição não é quem vota, mas quem conta os votos. […] Por coincidência, quem faz o maior ativismo contra o voto auditável é o ministro Barroso, presidente do TSE.” 

“Querem derrubar o governo? Já disse: só Deus me tira daquela cadeira. Será que não entenderam que só Deus me tira daquela cadeira? Se aparecer corrupção em meu governo, serei o primeiro a buscar maneiras de apurar e deixar na mão da Justiça para que esse possível responsável seja punido”, complementou.

O presidente recebeu alta médica na manhã deste domingo (18) após apresentar um quadro de obstrução intestinal e passar 4 dias internado no Hospital Vila Nova Star.




Leia também:

Terra Brasil Notícias