Paraguai aprovou uso de urnas eletrônicas que também imprimem o voto, mas justiça eleitoral do Brasil foge do tema e rejeita essa possibilidade

Paraguai aprovou uso de urnas eletrônicas que também imprimem o voto, mas justiça eleitoral do Brasil foge do tema e rejeita essa possibilidade

Há um ano a Justiça Eleitoral do Paraguai apresentou as máquinas que foram usadas nas eleições internas e municipais, mas no Brasil esse tema não é visto com bons olhos pelo TSE que já rechaçou por mais de um vez a possibilidade, o ministro Barroso chegou a dizer que “sempre deram certo e não vê necessidade”, isso cria desconforto em alguns setores da população que querem segurança em votos que podem ser auditáveis.

O diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação da Justiça Eleitoral, Fausto Von Streber, explicou que a máquina permite não apenas a emissão do voto pelo eleitor, mas também facilita o processo de escrutínio, que deve ser realizado pelos membros da mesa para obter os resultados oficiais no dia das eleições.

A máquina imprime uma cédula contendo o voto realizado e com ela pode ser confirmado, através de um leitor específico incorporado, se a máquina registrou corretamente as opções marcadas.

A tecnologia também fornece modalidades de votação para pessoas com deficiência visual.

Cerca de 3.000 máquinas foram utilizadas nas eleições de 8 de novembro de 2020.

Leia também:

Terra Brasil Notícias