Fóssil revela como dinossauros faziam as necessidades e acasalavam

Fóssil revela como dinossauros faziam as necessidades e acasalavam

Sabemos muito sobre os dinossauros — sua aparência, o que comiam e o que os matou — mas nenhum fóssil preservou dois dinossauros em acasalamento.

Entretanto, um fóssil de Psittacosaurus da China está tão bem preservado que a abertura que o dinossauro usava para urinar, defecar e se reproduzir está visível, permitindo que paleontologistas possam estudar isto pela primeira vez.

Apesar de não oferecer nenhuma resposta concreta sobre como os dinossauros procriaram, o achado dá algumas dicas.

“Não temos nenhum fóssil de dinossauro no qual você pode ficar confiante de que eles foram pegos no ato”, disse Jakob Vinther, um paleontólogo e professor sênior da Escola de Ciências da Terra da Universidade de Bristol.

O que nós sabemos é “baseado em história natural, onde comparamos estes a grupos de animais vivos”.

Enquanto a maioria dos mamíferos possuem diferentes orifícios para as diferentes funções corporais, muitos outros animais — inclusive aves e répteis — possuem apenas um, conhecido como cloaca.

A cloaca fossilizada encontrada confirma que dinossauros tinham uma, mas ela não se parece com a de nenhum outro animal vivo.

“É muito único. A maioria das cloacas forma uma espécie de fenda. Às vezes é uma fenda vertical, às vezes na forma de um sorriso, às vezes de uma carinha triste. Esse animal tem uma estrutura em formato de V com lábios e não existem grupos de animais vivos com uma morfologia assim”, disse Vinther. “É de alguma forma parecido com os crocodilos, mas ainda único”.

O estudo, publicado na revista científica Current Biology na terça-feira (19), afirma que lóbulos grandes e pigmentados em ambos os lados da abertura podem ter abrigado glândulas de fragrância, como as vistas em crocodilos e jacarés vivos.

Além disso, as margens externas da cloaca são altamente pigmentadas com melanina. Enquanto não sabem exatamente qual a cor, ela devia contrastar com a pele pálida da barriga do dinossauro, disse Vinther.

Essa pigmentação distinta pode significar que a abertura serviria para mostrar e enviar sinais, atitude semelhante à dos atuais babuínos e salamandras quando em reprodução.

O fóssil está em exibição no Museu de História Natural Senckenberg em Frankfurt, Alemanha, mas foi encontrado em uma área rica em fósseis, em Liaoning, no norte da China.

Vinther já havia trabalhado no fóssil outra vez, em 2016, reestruturando as estampas de cores do dinossauro e foi somente no fim desse estudo que ele percebeu que a cloaca estava muito bem preservada, ele disse.

Em animais com cloaca, os órgãos genitais ficam escondidos dentro do corpo e não foram preservados, então é difícil saber se esse indivíduo em particular era uma fêmea ou um macho.

A maioria dos pássaros, os únicos parentes vivos dos dinossauros, acasalam através do “beijo cloacal” — pressionando suas aberturas juntas. Alguns paleontólogos suspeitam que dinossauros acasalavam assim.

Vinther, entretanto, acredita que este dinossauro teria tido um pênis — a abertura fossilizada é mais similar a de um crocodilo, que possuem, e alguns pássaros, como avestruzes e patos, também possuem pênis.

“Pelo que podemos ver, essa cloaca não serviria para o beijo cloacal”, disse Vinther. “Parece mais adaptada ao sexo penetrativo”.

CNN Brasil

Leia também:

Terra Brasil Notícias