Estados e Municípios fazendo “barbeiragem” com as vacinas do Butantan

Estados e Municípios fazendo “barbeiragem” com as vacinas do Butantan

Prefeituras e governos estaduais têm adotado critérios diferentes para a aplicação da vacina contra a Covid-19, o que pode prejudicar a eficácia da imunização no Brasil. Enquanto alguns governos locais decidiram racionar o fármaco para garantir que todos do grupo prioritário recebam as duas doses dentro do prazo recomendado pelos laboratórios, outros optaram por usar toda a remessa de CoronaVac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, já na primeira aplicação.

Mesmo com a liberação de um segundo lote da CoronaVac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ontem, podem faltar unidades para a segunda dose, apontam infectologistas. A diferença entre os dois lotes da vacina que já tiveram o uso aprovado pelo governo brasileiro é de 1,2 milhão de doses. No último dia 17, a Anvisa liberou 6 milhões. Ontem, 4,8 milhões.

Quem tomou a coronavac terá que esperar a segunda dose e estados que não dispõem do quantitativo podem ter “jogado fora” a oportunidade de imunizar corretamente, essas pessoas não serão contempladas com a vacina de Oxford.

Leia também:

Terra Brasil Notícias