DIRETOR DA OMS, TEDROS ADHANOM, É SUSPEITO DE FORNECER ARMAS A GRUPO REBELDE NA ETIÓPIA

DIRETOR DA OMS, TEDROS ADHANOM, É SUSPEITO DE FORNECER ARMAS A GRUPO REBELDE NA ETIÓPIA

O exército da Etiópia acusou o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom , de apoiar e tentar conseguir armas e apoio diplomático para os rebeldes que estão na região de Tigray.

Tedros, nascido na região de conflito, foi Ministro da Saúde e das Relações Exteriores, entre 2005 e 2016, durante o governo do grupo que, agora, controla aquela região, no Norte do país.

“Este homem é um membro desse grupo e tem feito tudo para apoiá-los”, afirma General Birhanu Jula, chefe do Estado-Maior do Exército, em comunicado na televisão que presta informações sobre a ofensiva militar do governo etíope na região de Tigray comandada pelo partido Frente de Libertação do Povo Tigray (FLPT).

O partido FLPT comandou por décadas a Etiópia mas, nas eleições de 2018, quem saiu vitorioso foi Abiy Ahmed, que foi eleito como um “reformista”. Sem medo, ele acusou ex-funcionários do governo de corrupção e abusos aos direitos humanos e expulsou do governo políticos da FLPT.

Determinado, o novo primeiro ministro dissolveu a coalizão multiétnica e criou o Partido da Prosperidade (PP), aumentando a tensão política.

Eleito Nobel da Paz, por conseguir finalizar uma guerra de 20 anos entre Etiópia e Eritreia, Ahmed se vê agora em outro conflito; já que a região de Tigray realizou eleições regionais sem o aval do ministro, que tinha prorrogado o pleito por causa da pandemia.

Os rebeldes não aceitaram o pedido e elegeram seus representantes. Abiy Ahmed, autoridade maior do país, não reconheceu a legitimidade das eleições e cortou as verbas para a região.

A Etiópia é o país mais populoso da África. Várias potências mundiais mantêm bases militares no Chifre Africano e analistas temem uma grande guerra civil.

Créditos: Jornal da cidade online

Leia também:

Terra Brasil Notícias